AMP lança oficialmente o Sinam em Londrina
Os cidadãos de Londrina têm agora uma nova opção de atendimento médico de qualidade, com valores acessíveis. O Sinam (Sistema Nacional de Atendimento Médico) foi lançado oficialmente na cidade, na noite da última quarta-feira (27), em evento para dirigentes de associações e sindicatos de classes, organizações e entidades civis, instituições médicas e hospitalares parceiras e imprensa. Estavam presentes o presidente da Associação Médica do Paraná, Dr. Nerlan Carvalho; o tesoureiro, Dr. José Fernando Macedo, acompanhados de diretores e da presidente da Associação Médica de Londrina, Dra. Beatriz Emi Tamura. O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Londrina e Região (Sincoval), Altamirando Andrade, foi recepcionado pelos dirigentes da AMP e AML, representando as demais entidades que já aderiram à ideia de levar mais este benefício de assistência médica aos funcionários das empresas associadas.

O Sinam tem significativa representação social, pois o usuário realiza consultas particulares com valores reduzidos. É um sistema de atendimento médico que as Associações Médicas do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, por meio de suas afiliadas, oferecem para quem não quer depender do SUS e não pode pagar por um plano de saúde. Sem carência para utilização, limites em relação à idade, número de dependentes ou doenças pré-existentes, é um modelo de assistência em que o usuário titular paga uma única taxa de administração anual, hoje no valor de R$ 140,00, e tem direito, assim como seus dependentes, a consulta particular, com hora marcada, com o especialista que escolher. O valor da consulta é fixo. Em Londrina, R$ 150,00, bem abaixo do praticado pelo mercado no Norte do Paraná.

Para os médicos, também representa uma remuneração justa de seu trabalho, sem interferência na relação médico-paciente, com recebimento à vista. Os profissionais são todos referenciados pelas entidades médicas. No caso de Londrina e região, são 44 especialidades, além de laboratórios, clínicas de imagem, hospitais e farmácias, conveniados formalmente à AML, que oferecem seus serviços e atendimento também em condições especiais.

O presidente da AMP destacou o alcance social do Sinam, pelo acesso que proporciona à saúde.  Ele informou que, atualmente, o sistema possui unidades de atendimento em Curitiba, Araucária, Ponta Grossa, Cascavel, Foz do Iguaçu, Marechal Cândido Rondon, Toledo e Umuarama. Acrescentou que os valores das consultas são definidos pelas regionais, em consenso com seus associados, levando em conta a realidade de cada município e região, mas tendo por base um estudo realizado pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), atualizado ano após ano.

O aspecto social também foi salientado pela presidente da AML. “Em função do momento econômico atual, nós vimos a necessidade de implantar este sistema em Londrina, pois muitas pessoas não estão mais conseguindo manter o plano de saúde e não querem ficar unicamente na dependência do atendimento pelo SUS. Precisam de um modelo de assistência que faça essa cobertura e nos empenhamos para isso”, afirmou Beatriz Tamura, lembrando que é uma única taxa de adesão, abrangendo todos os dependentes do titular. Falou, ainda, da seriedade do sistema, informando que todos os médicos, para fazerem parte do Sinam, passam por uma banca avaliadora de suas certificações.

O Dr. José Fernando Macedo contou que o Sinam foi criado em 1996, em conjunto com a Associação Médica Brasileira (AMB), onde atuava como diretor científico, como uma alternativa de acesso da população aos especialistas em diversas áreas da medicina. “Implantamos no Paraná e o sistema cresceu. Hoje é uma realidade, com a mesma prerrogativa: o paciente bem atendido, por profissionais competentes, escolhidos por ele e pagando valores reduzidos, o que fortalece a relação médico-paciente”, concluiu, parabenizando a AML pelo trabalho, que “fará bem não só aos moradores, mas a toda classe médica de Londrina”.
 
Aproveite e
veja também