Ministro reafirma importância das contribuições da classe médica para políticas e programas
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta confirmou, nesta quinta-feira (10), a intenção de reestruturar a Atenção Básica de Saúde e disse que espera as contribuições das mais de 50 especialidades para desenvolver políticas, programas e projetos no Sistema Único de Saúde (SUS) e na rede suplementar. O novo gestor recebeu, em Brasília, representantes do Conselho Federal de Medicina (CFM).

A audiência, onde foram tratados assuntos de interesse da classe médica, foi uma oportunidade para reiterar a Mandetta as preocupações da categoria com aspectos que interferem diretamente no exercício da medicina e na oferta da assistência à população nas redes pública e privada. Entre os temas abordados estavam a criação da carreira de médico de Estado e propostas para problemas de acesso a diferentes serviços.

Participaram do encontro o 1º vice-presidente do CFM, Mauro Ribeiro; o 3º vice-presidente, Emmanuel Fortes, e o 2º tesoureiro, Dalvélio Madruga. Na avaliação de Ribeiro, esta foi mais uma rodada que poderá trazer efeitos para o funcionamento da saúde no País.  Segundo ele, foram debatidas as impressões da categoria médica quanto ao funcionamento do SUS e indicadas ações para atender as necessidades da categoria e da população brasileira.
 
Com informações do CFM
Aproveite e
veja também