Saúde reforça importância da imunização contra o sarampo
Paraná está há 20 anos sem registro de sarampo. Ações de prevenção como vacinação, orientação e monitoramento de dados, mantêm estado imune ao vírus. Último caso registrado foi em 1999, remanescente do surto ocorrido no ano anterior. Em 1998 ocorreram 873 casos no Paraná e um óbito decorrente de complicações da doença.  

Para manter o estado sem a doença é preciso aumentar a cobertura das vacinas, em especial as crianças com 12 meses de vida. A meta do Programa Nacional de Imunização é que a cobertura vacinal chegue a 95%, porém dados registrados até junho no Paraná indicam que 89,8% das crianças nessa faixa etária foram imunizadas.

A chefe da Divisão do Programa de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), Vera da Maia, explica que a vacina integra o calendário nacional de vacinação.  “Entre as vacinas que a criança recebe até o primeiro ano de vida está a tríplice, que imuniza contra sarampo, caxumba e rubéola. A primeira dose é aplicada aos 12 meses de vida e a segunda dose aplicada aos 15 meses na vacina tetra ou tríplice viral varicela, que previne, além de sarampo, rubéola, caxumba e varicela/catapora”, informa.

Quem tem até 29 anos deve receber duas doses para a imunização. Para a população entre 30 e 49 anos, o indicado é que recebam uma dose da vacina tríplice viral. Pessoas imunodeprimidas, acima 50 anos ou mulheres grávidas não devem tomar a vacina.

Os profissionais da área da saúde devem ser vacinados com as duas doses da tríplice viral até os 49 anos, independente se atuam na atenção primária, secundária ou terciária.

Vera da Maia esclarece que o registro consta na carteira de vacinação. “Esta é uma vacinação seletiva, ou seja, é preciso resgatar a informação se esta pessoa recebeu ou não a vacina. Caso a pessoa não tenha mais a carteira, é preciso ir até a unidade de saúde e conferir o registro se ela tomou ou não e se não tiver registro, deve receber a vacina”, orienta.
 
Webconferência
 
Na sexta-feira, 2 de agosto, a Sesa irá promover uma Videoconferência de Alerta sobre o Sarampo, das 8h às 12h.
 
Programação:

1) Aspectos Clínicos do Sarampo, Vigilância Epidemiológica e Monitoramento do Sarampo
2) Diagnóstico Laboratorial, Coleta e envio das amostras ao Lacen/PR
3) Vacinação contra o Sarampo, Esquema vacinal (vacinação de rotina e bloqueio seletivo), Cobertura vacinal e Homogeneidade
4) Encaminhamentos e encerramento.
 
O acesso à transmissão deverá ser feito pelo link abaixo, utilizando o navegar Internet Explorer:
webcast.pr.gov.br/videoconf/eventos/1/
 
Mais informações sobre o evento pelo telefone (41) 3330-4561 ou pelo e-mail dvvtr.svs@sesa.pr.gov.br
 
A doença

O sarampo é uma doença infecciosa, transmitida por vírus e que pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. As complicações decorrentes do sarampo são mais graves em crianças menores de cinco anos e podem causar meningite, encefalite e pneumonia. O vírus é transmitido pela respiração, fala, tosse e espirro. As micropartículas virais ficam suspensas no ar, por isso o alto poder de contágio da doença.

Os sintomas mais comuns são: febre alta, dor de cabeça, manchas avermelhadas na pele (aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo), tosse, coriza e conjuntivite. Como não existe tratamento específico para o sarampo, é importante ficar atento caso alguém com quem teve contato fique doente.

Quem já teve a doença não corre o risco de ser contaminado pelo vírus novamente. Porém, a comprovação deve ter sido por meio de exame laboratorial.

O sarampo pode deixar sequelas caso não seja tratado. As complicações da doença são: otites, infecções respiratórias e doenças neurológicas, e em casos mais graves podem provocar surdez, cegueira, retardo do crescimento e redução da capacidade mental.

O período entre o contágio e o aparecimento dos sintomas é de cerca de 12 dias. Porém, a transmissão pode ocorrer antes do aparecimento dos sintomas e estender-se até o quarto dia depois que surgiram manchas avermelhadas na pele.

Quando ocorre suspeita ou a confirmação de sarampo, a pessoa fica em isolamento e é realizado o bloqueio com a aplicação da vacina tríplice viral em todos que tiveram algum contato com o doente. Com essa ação, a tentativa é parar o vírus com a imunização de todos os indivíduos que estão em risco.

Alerta

A preocupação com o sarampo está maior nos últimos dias porque o estado de São Paulo registrou mais de 400 casos de sarampo somente este ano. Além de São Paulo, outros seis estados, Pará, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina, Roraima e Amazonas, também têm casos confirmados de sarampo.

A Secretaria da Saúde do Paraná orienta para que a população fique atenta às datas da carteira de vacinação e aos registros de doses. Quem já tomou duas doses da vacina da tríplice está imunizado. A vacina está disponível em todas as unidades de saúde dos municípios.

Caso não lembre se tomou a vacina e não tenha a carteira de vacinação a pessoa deve ir até a Unidade de Saúde para verificar se há registro. Caso não tenha nada registrado, deve ser imunizada.


 
Fonte: Sesa
Aproveite e
veja também